top of page
  • Foto do escritorJornal Carangola

A VIDA PÓS-PICADA: OS CUIDADOS DEPOIS DA VACINA

A vacinação contra o coronavírus segue firme e avança a passos lentos no Brasil. Mas, em meio a atrasos na distribuição dos imunizantes é um alento saber que, atualmente, chegamos a romper a marca de 100.082.100 pessoas que receberam ao menos uma dose. 41.012.243 foram totalmente imunizados, e 141.094.343 é o total de doses aplicadas.



Se você é um dos brasileiros que já receberam ao menos a primeira picada — seja da Coronavac, do Butantan, seja do produto de Oxford/AstraZeneca, da Fiocruz —, é provável que tenha algumas dúvidas sobre o que fazer a partir de agora. Pois bem, a primeira orientação, e importantíssima, é garantir que você ingresse na turma dos que tomaram as duas doses da vacina. Como mostram os estudos, esse é o único jeito de assegurar a proteção esperada das injeções. Tá certo que não está sendo fácil conseguir isso em algumas regiões do país. Em março, o Ministério da Saúde chegou a orientar que não houvesse mais reserva de doses para a segunda inoculação, na expectativa de que a produção e a oferta aumentassem e dessem conta do recado — o que não aconteceu. E muita gente passou a reclamar da dificuldade para completar o esquema vacinal. Só que, mesmo em locais mais bem abastecidos, outro problema surgiu: o abandono da segunda dose. Estima-se que 14% dos cidadãos que tomaram a primeira picada não foram atrás da segunda no momento oportuno. Em alguns estados, como o recordista Amazonas, o número mais que dobra — chegou a bater 31%. Sem o esquema por inteiro, o esforço de vacinação pode ir pelo ralo. “Os testes clínicos e os dados que nós temos foram obtidos a partir das duas doses”, destaca a microbiologista Natalia Pasternak, presidente do Instituto Questão de Ciência (IQC). “Se você não tomar a segunda, vai ficar com uma proteção que a gente não sabe qual é nem quanto tempo dura”, justifica. Daí a recomendação do próprio ministério de sempre buscar a segunda dose, mesmo se você perdeu o prazo estipulado. Isso vale para a sua saúde — e para a dos outros. “Como indivíduos vacinados ainda podem transmitir a doença, é importante termos uma grande quantidade de pessoas imunizadas a fim de que o vírus tenha mais dificuldade para transitar e causar problemas graves”, explica o imunologista João Viola, presidente do Comitê Científico da Sociedade Brasileira de Imunologia. Hoje, a Organização Mundial da Saúde (OMS) acredita que esse controle só será possível quando as nações atingirem pelo menos entre 70 e 80% da população vacinada. Enquanto isso não ocorre, o Sars-CoV-2 continua circulando… e aprontando por aí. E, quanto mais ele circula e se multiplica, mais viável é o surgimento das versões mutantes — caso da temida “variante brasileira”, a P.1, identificada pela primeira vez em Manaus em janeiro de 2021 e considerada mais contagiosa. Essa questão tem a ver com outro temor dos cientistas: a possibilidade de a vacinação incompleta contribuir para o aparecimento de coronavírus mais resistentes. “Se a população não estiver completamente protegida, isso pode levar a uma seleção natural das cepas mais bem adaptadas”, alerta Viola. Imagine patógenos com capacidade de escapar das vacinas! É por essas e outras que uma orientação permanece sólida: enquanto não tivermos boa parte dos brasileiros imunizados, é preciso continuar seguindo os cuidados do “novo normal”: usar sempre a máscara quando sair, caprichar na higiene das mãos e evitar aglomerações. Isso também se aplica a quem tomou a vacina, sobretudo se só recebeu a primeira dose. Ninguém é exceção! Qual é o tempo de proteção das vacinas contra Covid-19? Ainda não se sabe. Como as vacinas em uso são recentes e as campanhas só começaram a partir de dezembro de 2020, a duração da proteção ainda é alvo de estudos. Até aqui, é possível afirmar com segurança que o efeito se mantém por pelo menos seis meses. Os especialistas acreditam que será necessário revacinar periodicamente, como ocorre com a gripe. Posso tomar bebida alcoólica antes ou depois da vacina? Até pode. O receio vem de um mito que diz que o álcool afeta a produção de anticorpos. Mas não há pesquisa indicando que a eficácia de uma vacina seja comprometida pela ingestão pontual de bebida alcoólica. Mas tem que ser com moderação. Sabe-se que o excesso etílico prejudica o sistema imune — então não dá pra descartar algum reflexo do abuso na imunização. Há risco de a vacina causar a doença em si? Nenhum. “A Covid-19 só é provocada por vírus vivo, e nenhuma das vacinas usa vírus vivo”, resume o virologista Paulo Eduardo Brandão, da Universidade de São Paulo (USP). A Coronavac é feita com o vírus inativado, processo semelhante ao de outras vacinas já consagradas, como as de gripe, hepatite A e raiva. Já a de Oxford usa um vetor viral — outro vírus, modificado, que carrega parte do material genético do Sars-CoV-2 para induzir uma resposta do organismo. Por Maurício Brum e Juliana Coin

Comments


O Jornal Carangola não se responsabiliza por qualquer comentário expresso no site ou através de qualquer outro meio, produzido através de redes sociais ou mensagens.
O Jornal Carangola se reserva o direito de eliminar os comentários que considere inadequados ou ofensivos, provenientes de fontes distintas.
As opiniões são de responsabilidade exclusivamente de seus autores.

49.png

Parceiros

exame.png
sicredi 2.gif
2.png
mauricio padilha.png
FOTO PERFIL.png
projetilar.png
LOGOS AYA 2.png
437755017_956548816474171_2121639489067002229_n.jpg
PURO SABOR FOTO PERFIL.png
438198013_958102139652172_1147900987193066066_n (1).jpg
sinergiasolar1_1699029985861.jpeg
WhatsApp Image 2024-04-19 at 16.04.49 (1).jpeg
sicredibotucarai_1705112184178.jpeg
FOTO-PERFIL.png
jornalcarangola_1705119737294.jpeg
PERFIL.png
bottom of page