top of page
  • Foto do escritorJornal Carangola

ABSURDO!! Professora é agredida por mãe de aluna quando saía da escola em minas; assista ao vídeo

Fato aconteceu em Franciscópolis, interior de Minas, Região do Vale do Jequitinhonha. Sindicato que representa a categoria repudia a violência

Uma professora de 36 anos ficou ferida após ser atacada pela mãe de uma aluna no fim da tarde de terça-feira (1º), quado saía de seu local de trabalho, em Franciscópolis, cidade do Vale do Mucuri. Nas imagens das agressões, que viralizaram na internet e chocaram pessoas de todo o país, é possível ver a profissional recebendo tapas, puxões de cabelo e sendo jogada no chão enquanto pede, calmamente e sem esboçar qualquer reação, que a agressora parasse com aquilo. 


A autora, uma mulher de 37 anos, aparece nas imagens perguntando o motivo de a professora estar "mexendo com a minha filha na escola". Mesmo com a vítima o tempo inteiro tentando apenas acabar com a confusão, ela segue com as agressões, apesar da outra filha, de 19 anos, também pedir que ela parasse. No fim, a professora tenta subir na moto para ir embora, mas a suspeita toma a chave de sua mão e volta a jogá-la no chão. 


As agressões só chegaram ao fim após um motociclista que passava pelo local socorrer a professora e a levar para o hospital. Conforme o registro da Polícia Militar (PM), a confusão teve início por volta de 17h30 na porta da Escola Estadual Maria Silva Rocha, onde a vítima trabalha.  Em seu relato, a vítima diz que foi surpreendida na porta do trabalho pela mãe e irmã de sua aluna, sendo que a mulher iniciou os tapas e socos imediatamente. 


O depoimento da professora conta ainda com a informação de que a mãe chegou a dizer que iria "ensinar a trabalhar", pois já a agrediu uma vez e ela não teria aprendido. A PM não soube dar detalhes sobre essa outra agressão relatada pela vítima. Durante a confusão, a mãe da aluna chegou a danificar o celular, que foi jogado no chão, e a moto dela usando uma telha de barro. 


Já na versão da agressora aos policiais, ela disse ter ido até a escola para fazer uma reclamação com a professora, porém, quando chegou, teria visto a mesma indo em direção à sua filha, que também estuda na escola, momento em que a chamou e iniciou as agressões. A suspeita ainda negou que tivesse pegado a chave da moto da professora, ação que pode ser visualizada no vídeo. 



Filha da professora pegou faca e ameaçou agressoras 


Antes da chegada da PM no local, a filha da professora, uma adolescente de 16 anos, acabou se envolvendo em outra confusão. Revoltada após assistir as agressões sofridas pela mãe, a estudante foi até a casa de uma amiga e pediu uma faca. Armada com o objeto de 18 cm de lâmina, a menor foi, então, até a casa das duas mulheres suspeitas de atacarem sua mãe, e chamou pelo nome a filha da mulher, de 19 anos. 


Segundo a jovem, filha da agressora da professora, a adolescente chamou por ela e, assim que abriu o portão, teria tentado atacá-la com faca, sendo que só não foi ferida porque a menor foi contida por vizinhos. Já a mãe disse que viu a filha ser atacada e que a confusão só acabou após ela jogar uma garrafa em direção à filha da professora. 


A adolescente, a professora, a mãe da aluna e sua filha foram conduzidas, mas acabaram liberadas após assinarem um Termo Circunstanciado de Ocorrência (TCO) e se comprometerem a comparecer em juízo. A faca usada pela filha da professora foi apreendida. 


Segundo o sargento Sidney Aparecido Ferreira, comandante do destacamento de Franciscópolis, a corporação tem feito uma campanha rigorosa, com visita nas escolas, sobre o respeito aos professores e outras condutas sociais. "O objetivo é justamente evitar esses tipos de situação. Foram tomadas as providências cabíveis neste caso e a PM reafirma o compromisso de zelar pela segurança de toda a população", garantiu. 


Secretaria de Educação e sindicato acompanham o caso


Procurada, a Secretaria de Estado de Educação (SEE) informou, por meio de nota, que a Superintendência Regional de Ensino de Teófilo Otoni, responsável pela coordenação da Escola Estadual Maria Silva Rocha, está acompanhando o caso. "A direção da escola prestou todo o suporte necessário à funcionária da instituição", conclui. 


O Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação de Minas Gerais (Sind-UTE/MG) em Teófilo Otoni, na mesma região, emitiu uma nota de repúdio às agressões em que afirma que, mesmo tendo sido atendida pela direção da escola para falar sobre suas reclamações, a mãe da aluna decidiu "cercear" a professora.


"O Sind-UTE repudia toda ação contrária aos servidores da educação e conclama a todos que fazem parte da comunidade escolar, que optem pela paz e a tranquilidade. Enquanto entidade, já nós disponibilizamos em fazer todo o acompanhamento jurídico à servidora e escola", finaliza a nota.


Comentários


O Jornal Carangola não se responsabiliza por qualquer comentário expresso no site ou através de qualquer outro meio, produzido através de redes sociais ou mensagens.
O Jornal Carangola se reserva o direito de eliminar os comentários que considere inadequados ou ofensivos, provenientes de fontes distintas.
As opiniões são de responsabilidade exclusivamente de seus autores.

49.png

Parceiros

exame.png
sicredi 2.gif
2.png
mauricio padilha.png
FOTO PERFIL.png
projetilar.png
LOGOS AYA 2.png
437755017_956548816474171_2121639489067002229_n.jpg
PURO SABOR FOTO PERFIL.png
438198013_958102139652172_1147900987193066066_n (1).jpg
sinergiasolar1_1699029985861.jpeg
WhatsApp Image 2024-04-19 at 16.04.49 (1).jpeg
sicredibotucarai_1705112184178.jpeg
FOTO-PERFIL.png
jornalcarangola_1705119737294.jpeg
PERFIL.png
bottom of page