Buscar
  • Jornal Carangola

Após decreto do Governo, quatro microrregiões da Zona da Mata vão para a Onda Roxa

Confira as cidades que tiveram de integrar a imposição do programa 'Minas Consciente' para conter o avanço da Covid-19. Em entrevista coletiva nesta terça-feira (16), Romeu Zema falou que a saúde mineira 'entrou em colapso'. De acordo as novas medidas CARANGOLA está entre elas. Confira:


As microrregiões de Muriaé, Viçosa, Ubá e Carangola regredirem para a Onda Roxa do "Minas Consciente". A alteração é feita após o Governo de Minas anunciar, na noite desta segunda-feira (15), que todo o estado foi para a etapa mais restritiva do programa estadual por causa do avanço da Covid-19. A nova medida entra em vigor nesta quarta-feira (17). (Veja abaixo o que pode funcionar e serviços estaduais suspensos).


De acordo com o Estado, as micros de Muriaé e Viçosa estavam na Onda Vermelha e as macrorregiões na mesma fase. Já as localidades de Ubá e Carangola na Amarela e as macrorregiões na Vermelha.

Conforme o programa, caso as ondas indicadas para as macrorregiões e microrregiões sejam diferentes, caberia ao prefeito de cada cidade optar por qual das duas recomendações seguir.


Em uma entrevista na manhã desta terça-feira (16), o governador Romeu Zema (Novo), falou sobre a situação epidemiológica de Minas Gerais e afirmou que "não havia outra alternativa a não ser implantar a Onda Roxa em todo o estado".


No último fim de semana, mostramos que todas as cidades do Campo das Vertentes e as microrregiões de Juiz de Fora/São João Nepomuceno/Lima Duarte/Santos Dumont, Leopoldina/Cataguases e Além Paraíba também foram para a última fase do "Minas Consciente".


Em nota, o Estado também informou que os municípios que já estavam na Onda Roxa com vigência até os dias 25 e 27 de março, permanecem com esse prazo.

Confira abaixo quais novas cidades da Zona da Mata foram para a Onda Roxa:

Novas cidades na Onda Roxa


Cidades da microrregiões de Muriaé/Ubá/Viçosa/Carangola

  • Brás Pires

  • Coimbra

  • Carangola

  • Divinésia

  • Dores do Turvo

  • Divino

  • Espera Feliz

  • Ervália

  • Eugenópolis

  • Faria Lemos

  • Fervedouro

  • Guarani

  • Guidoval

  • Guiricema

  • Mercês

  • Miradouro

  • Miraí

  • Muriaé

  • Patrocínio do Muriaé

  • Piraúba

  • Orizânia

  • Rio Pomba

  • Rodeiro

  • São Geraldo

  • Senador Firmino

  • Silveirânia

  • Tabuleiro

  • Tocantins

  • Tombos

  • Ubá

  • Vieiras

  • Viçosa

  • Visconde do Rio Branco

Fonte: Estado


Colapso na saúde mineira

Durante uma entrevista coletiva nesta terça, Romeu Zema fez um apelo à população mineira para que adote medidas de proteção contra o coronavírus.

"Estamos aqui hoje para tratar de uma questão que, há um ano, tem causado transtorno e tristeza a toda a sociedade. O sistema de Saúde de Minas Gerais entrou em colapso. Ou seja, o número de pessoas que demandam cuidados médicos é maior que a capacidade de atendimento", alertou.

Ainda conforme o governador, enquanto não existir vacinação em massa, a alternativa é controlar a disseminação do vírus com as medidas de distanciamento social.


"Estamos obrigados a optarmos entre continuar vivendo como se nada estivesse acontecendo ou termos um isolamento para salvarmos vidas. E eu sou favorável a salvar vidas", complementou.

Onda Roxa

Nessa fase – que, a princípio, tem duração de 15 dias – só é permitido o funcionamento de serviços essenciais e a circulação de pessoas fica limitada aos funcionários e usuários desses estabelecimentos.

O deslocamento por qualquer outra razão deverá ser justificado e a fiscalização será feita com o apoio do município e da Polícia Militar (PM). Confira abaixo as regras:


Medidas da Onda Roxa no Minas Consciente — Foto: Governo de MG/Divulgação

Serviços considerados essenciais pelo "Minas Consciente":


  • Setor de alimentos (excluídos bares e restaurantes, que podem via delivery ou retirada no balcão);

  • Serviços de Saúde (atendimento, indústrias, veterinárias, etc);

  • Bancos;

  • Transporte público (deslocamento para atividades essenciais);

  • Energia, gás, petróleo, combustíveis e derivados;

  • Manutenção de equipamentos e veículos;

  • Construção Civil;

  • Indústrias (apenas da cadeia de atividades essenciais);

  • Lavanderias;

  • Hotéis somente como residência e para fins de isolamento;

  • Serviços de TI, dados, imprensa e comunicação;

  • Serviços de interesse público (água, esgoto, funerário, correios etc.).


Serviços estaduais

Por causa da Onda Roxa, a Polícia Civil de Minas Gerais informou que os atendimentos presenciais em todas as unidades da corporação foram mantidos para casos urgentes, como auto de prisão em flagrante, homicídio, estupro, violência doméstica, sequestro e cárcere privado, roubo e furto de veículo com prisão de suspeito.


Outros crimes relacionados com com violência doméstica, familiar e solicitação de medida protetiva podem ser comunicados no site da polícia.


O cidadão ainda tem opções de registrar casos de furto, dano simples, acidente de trânsito sem vítima, perda de documentos e objetos, localização de desaparecido, desaparecimento de pessoa e localização de desconhecido.

Em relação as aulas em colégios estaduais, as atividades voltaram remotamente no início de março. A Secretaria de Estado de Educação (SEE) informou que os primeiros dias foram dedicados à Semana de Acolhimento e as atividades letivas, que tiveram início na segunda-feira (15), continuam no mesmo formato.


Sobre a situação nos Unidades de Atendimento Integrado (UAIs), os atendimentos foram reduzidos em 30% e são feitos apenas com agendamento prévio, realizado no Portal MG ou no aplicativo MG App. Nos locais são adotados protocolos de saúde como uso obrigatório de máscara, intensificação da limpeza e aferição de temperatura.


A orientação da Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão (Seplag) é que os cidadãos compareçam às UAIs apenas em situações emergenciais, com horário agendado e sem acompanhantes, para evitar filas e aglomeração de pessoas.


EM CARANGOLA


Em nota oficial a Prefeitura de Carangola informa que não irá acatar a imposição do Governador do Estado, Romeu Zema e que não haveria até o presente momento, deliberação do Comitê Extraordinário COVID 19 do Estado de Minas Gerais a respeito do assunto. Ficando assim tudo funcionando normalmente. Veja nota:

NOTA DE ESCLARECIMENTO - ONDA ROXA
A Prefeitura de Carangola, após reunião ocorrida no Gabinete na noite desta terça-feira, dia 16/03/2021 informa que apesar do vídeo emitido pelo Governador do Estado, Romeu Zema, na noite de ontem, informando que os municípios deverão aderir a onda roxa, não há, até o presente momento, deliberação do Comitê Extraordinário COVID 19 do Estado de Minas Gerais a respeito do assunto.
Aguardaremos a divulgação de atos oficiais do Comitê Extraordinário COVID 19 para que possamos avaliar e considerar eventuais novas medidas a serem tomadas.
Essa Administração ressalta a importância de que a população e todos os setores comerciais sigam à risca as medidas de segurança contra o COVID-19.
A forma menos penosa para todos e mais eficaz de conter o vírus é respeitando o distanciamento social, fazendo o uso de máscara a todo momento cobrindo boca e nariz e higienizando as mãos.
Nem as medidas mais severas são mais eficazes que uma população responsável.
Prefeitura de Carangola

De acordo com Imprensa Oficial do Estado, Minas Gerais entra na 'onda roxa' e permite apenas serviços essenciais em todos os 853 municípios a partir desta quarta. A medida será impositiva e, a princípio, válida por 15 dias.


A decisão foi comunicada em uma reunião realizada com prefeitos e representantes de consórcios municipais de saúde e já tinha sido adiantada pelo presidente da Associação Mineira de Municípios (AMM), Julvan Lacerda.

Minas Gerais vive, atualmente, o momento mais grave da pandemia, com hospitais no limite. Na capital, Belo Horizonte, a ocupação de leitos de terapia intensiva chegou a 93,4% nesta segunda-feira.

"Chegamos agora no momento mais difícil, os hospitais estão no limite, ao mesmo tempo em que muitas pessoas não estão respeitando as medidas de isolamento. O resultado é que todas as regiões do estado enfrentam hoje dificuldades para oferecer atendimento médico. Por isso, ouvindo os especialistas em saúde e nosso comitê de enfrentamento da Covid, anunciamos medidas mais duras, pensando na proteção de todos os mineiros e para garantir atendimento adequado", afirmou Zema.

A adesão dos municípios à onda roxa será obrigatória. Segundo o governador, apenas serviços essenciais serão autorizados a funcionar e somente pessoas que trabalham nessas atividades deverão circular nas ruas.


"É uma medida dura, mas extremamente necessária neste momento para evitar um cenário pior do que esse que já estamos vivendo. Faço um apelo para todos os mineiros: precisamos manter as medidas de proteção e distanciamento social. Não vamos deixar que o cansaço nos vença. Por favor, respeite e colabore para que possamos vencer esta guerra", disse.

De acordo com o novo secretário estadual de Saúde, Fábio Baccheretti, nos últimos três dias, o número de pacientes à espera de vagas cresceu "de forma exponencial" em Minas Gerais.


"Diferente de todo o cenário vivido nos últimos 12 meses, desde o início da pandemia, a gente desta vez vive um cenário único, que é todo o Estado sofrendo muito ao mesmo tempo", pontuou.


Segundo ele, o estado está trabalhando para ampliar o número de leitos. Em fevereiro do ano passado, antes da pandemia, os municípios mineiros tinham 2.072 leitos de UTI. Hoje, são 4.248. Nesta segunda-feira, 85,31% dos leitos de terapia intensiva para pacientes com Covid-19 estão ocupados.


“Estamos utilizando todos os recursos possíveis. Os hospitais da Fhemig estão adaptando blocos cirúrgicos e pronto-atendimento para vivarem leitos de CTI. Faremos remanejamento de equipamentos para que os municípios consigam, durante as próximas semanas, ampliar leitos”, afirmou o secretário.

Nesta terça-feira (16), Zema e Baccheretti vão conceder coletiva de imprensa sobre o assunto às 7h30.

Fiscalização será reforçada

O comandante-geral da Polícia Militar de Minas Gerais, coronel Rodrigo Rodrigues, participou da reunião e disse que a corporação vai atuar de forma mais integrada com as guardas municipais para garantir que as medidas previstas na onda roxa sejam cumpridas.


“Vamos reforçar os nossos turnos, principalmente nos horários de 15h às 23h e de 23h às 6h, para evitar a circulação. Onde não há guardas municipais, a própria Polícia Militar está sendo orientada a dar esse apoio aos municípios, principalmente em relação a aglomerações em sítios, pessoas fazendo churrasco. Vamos atuar efetivamente, como foi feito durante o Carnaval”, explicou.

Veja as medidas impostas na onda roxa:


  • Funcionamento apenas do serviço essencial

  • Suspensão de cirurgias eletivas

  • Restrição de circulação de pessoas (só poderão sair de casa para atividades essenciais)

  • Toque de recolher das 20h às 5h e aos finais de semana

  • Proibição de pessoas sem máscara em qualquer espaço público ou de uso coletivo, ainda que privado

  • Proibição de circulação de pessoas com sintomas de gripe, a menos que estejam indo para consulta médica

  • Proibição de eventos públicos ou privados

  • Proibição de reuniões presenciais, inclusive entre parentes que não morem na mesma casa

  • Implantação de barreiras sanitárias de vigilância

  • Fechamento de bares e restaurantes (funcionamento apenas por delivery)


Atividades autorizadas

Durante a vigência da onda roxa, os seguintes serviços e seus respectivos sistemas logísticos de operação e cadeia de abastecimento poderão funcionar:

  • setor de saúde, incluindo unidades hospitalares e de atendimento e consultórios;

  • indústria, logística de montagem e de distribuição, e comércio de fármacos, farmácias, drogarias, óticas, materiais clínicos e hospitalares;

  • hipermercados, supermercados, mercados, açougues, peixarias, hortifrutigranjeiros, padarias, quitandas, centros de abastecimento de alimentos, lojas de conveniência, lanchonetes, de água mineral e de alimentos para animais;

  • produção, distribuição e comercialização de combustíveis e derivados;

  • distribuidoras de gás;

  • oficinas mecânicas, borracharias, autopeças, concessionárias e revendedoras de veículos automotores de qualquer natureza, inclusive as de máquinas agrícolas e afins;

  • restaurantes em pontos ou postos de paradas nas rodovias;

  • agências bancárias e similares;

  • cadeia industrial de alimentos;

  • agrossilvipastoris e agroindustriais;

  • telecomunicação, internet, imprensa, tecnologia da informação e processamento de dados, tais como gestão, desenvolvimento, suporte e manutenção de hardware, software, hospedagem e conectividade;

  • construção civil;

  • setores industriais, desde que relacionados à cadeia produtiva de serviços e produtos essenciais;

  • lavanderias;

  • assistência veterinária e pet shops;

  • transporte e entrega de cargas em geral;

  • call center;

  • locação de veículos de qualquer natureza, inclusive a de máquinas agrícolas e afins;

  • assistência técnica em máquinas, equipamentos, instalações, edificações e atividades correlatas, tais como a de eletricista e bombeiro hidráulico;

  • controle de pragas e de desinfecção de ambientes;

  • atendimento e atuação em emergências ambientais;

  • comércio atacadista e varejista de insumos para confecção de equipamentos de proteção individual e clínico-hospitalares, tais como tecidos, artefatos de tecidos e aviamento;

  • representação judicial e extrajudicial, assessoria e consultoria jurídicas;

  • relacionados à contabilidade;

  • serviços domésticos e de cuidadores e terapeutas;

  • hotelaria, hospedagem, pousadas, motéis e congêneres para uso de trabalhadores de serviços essenciais, como residência ou local para isolamento em caso de suspeita ou confirmação de covid-19;

  • atividades de ensino presencial referentes ao último período ou semestre dos cursos da área de saúde;

  • transporte privado individual de passageiros, solicitado por aplicativos ou outras plataformas de comunicação em rede.


Atividades comerciais que trabalharem por meio de aplicativos, internet ou telefone e de entrega de mercadorias em domicílio ou de retirada em balcão estão permitidas.


Importante destacar que Menos de 4% da população do estado foi vacinada contra a Covid.

O Jornal Carangola não se responsabiliza por qualquer comentário expresso no site ou através de qualquer outro meio, produzido através de redes sociais ou mensagens.
O Jornal Carangola se reserva o direito de eliminar os comentários que considere inadequados ou ofensivos, provenientes de fontes distintas.
As opiniões são de responsabilidade exclusivamente de seus autores.

FOTO-PERFIL.png
ORÇAMENTO.png

Parceiros

exame.png
mobile-1.png
açougue-fava.png
campestre-branco.png
mauricio padilha.png
FORNO-&CIA.png
projetilar.png
michelle.png
jornal-carangola.png