Buscar
  • Jornal Carangola

Bandidos aplicam golpes ‘pelo ar’ para invadir e roubar contas bancárias

Criminosos têm utilizado um método novo, reciclado de outro mais antigo, para invadir contas bancárias e roubar o dinheiro de suas vítimas.



De acordo com uma reportagem da coluna Tilt, do UOL, os bandidos têm utilizado o golpe do SIM-swap, um tipo de ataque em que criminosos transferem o número de telefone de uma vítima para outro chip.


Esse método seria semelhante ao que quadrilhas usam para invadir apps de bancos em celulares roubados, no entanto, a invasão acontece pelo ar.


Segundo o Tilt, criminosos infiltrados nas operadoras de telefonia, ou quadrilhas que cooptam funcionários dessas empresas, transferem um número de telefone para outro chip, usado em um celular da quadrilha.


Com isso, o chip original fica inutilizável, sem sinal de telefonia ou internet. Com esse número, eles conseguem acessar quase qualquer conta digital no nome das vítimas.


Os criminosos chegam a utilizar informações de fóruns de dados pessoais vazados na internet para aumentar o conhecimento sobre determinadas vítimas, e facilitar o acesso aos dados e, por consequência, a realização das fraudes.

A reportagem ouviu o diretor de cibersegurança e privacidade da empresa de tecnologia Campgemini, Leonardo Carissimi, que explicou que, um golpe de SIM-swap bem sucedido depende de duas coisas: que os criminosos já tenham acesso a alguns dados pessoais da vítima e que “a operadora de telefonia tenha mecanismos precários de validação”.


“Se a operadora valida o titular da linha com informações como nome, endereço, nome da mãe, data de aniversário, pode facilitar a ação do criminoso que tem estes dados em mãos”, disse Carissimi.

Mas além das operadoras, os usuários comuns também poder adotar algumas medidas para tentar se proteger desse e de outros tipos de golpe, como: não usar SMS ou ligação telefônica como método de recuperação de senha, habilitar métodos de pergunta secreta em sites e autenticação em duas etapas.


Além disso, é importante não compartilhar publicamente muitas informações pessoais nas redes sociais.

O Jornal Carangola não se responsabiliza por qualquer comentário expresso no site ou através de qualquer outro meio, produzido através de redes sociais ou mensagens.
O Jornal Carangola se reserva o direito de eliminar os comentários que considere inadequados ou ofensivos, provenientes de fontes distintas.
As opiniões são de responsabilidade exclusivamente de seus autores.

FOTO-PERFIL.png
ORÇAMENTO.png

Parceiros

exame.png
mobile-1.png
açougue-fava.png
campestre-branco.png
mauricio padilha.png
FORNO-&CIA.png
projetilar.png
michelle.png
jornal-carangola.png