Buscar
  • Jornal Carangola

Cinco presos por queimar e esquartejar vítima no Caparaó

Cinco pessoas foram presas em Guaçuí, na Região do Caparaó, acusadas de um crime bárbaro que ocorreu em abril. João Paulo Ferreira Purificati, de 39 anos, foi atraído para a casa de uma mulher, onde foi dopado e morto. Em seguida, os criminosos levaram seu corpo para o mato, onde foi queimado e esquartejado.


As prisões foram realizadas pela Polícia Civil na quinta-feira, no assentamento Luiz Neto, zona rural de Guaçuí, durante operação Don Juan, em referência ao apelido da vítima. Na ação, foram cumpridos cinco mandados de prisão temporária por homicídio e ocultação de cadáver. Também foi apreendido um carro que teria sido usado no transporte do corpo.


De acordo com a Polícia Civil, as investigações começaram no dia 25 de abril, dois dias após o desaparecimento de João Paulo. Ele foi visto pela última vez saindo em uma bicicleta, emprestada por uma amiga.


No decorrer das investigações, a Polícia Civil descobriu que uma das mentoras do crime foi a dona de um centro espírita, que teria procurado duas mulheres para atrair a vítima. Ela ainda teria entregado às suspeitas duas pílulas para ser diluídas na bebida de João Paulo.


Como combinado, elas entraram em contato com a vítima, que foi até à casa de uma delas para beber e conversar. A mulher aproveitou um momento de distração e colocou a pílula na bebida de João Paulo, que ficou desacordado.


A vítima foi atingida com um porrete e depois asfixiada com uma sacola plástica. Em seguida, o corpo de João Paulo foi enrolado em um cobertor e levado para o meio de uma mata, onde foi queimado e cortado em pedaços.


Foram presos duas mulheres de 41 e 36 anos e três homens de 54, 23 e 34 anos. Segundo a polícia, a morte estaria relacionada a um crime em Bom Jesus do Norte no qual João Paulo e a dona do centro espírita acabaram detidos. Redação Jornal Carangola

O Jornal Carangola não se responsabiliza por qualquer comentário expresso no site ou através de qualquer outro meio, produzido através de redes sociais ou mensagens.
O Jornal Carangola se reserva o direito de eliminar os comentários que considere inadequados ou ofensivos, provenientes de fontes distintas.
As opiniões são de responsabilidade exclusivamente de seus autores.

FOTO-PERFIL.png
ORÇAMENTO.png

Parceiros

exame.png
mobile-1.png
açougue-fava.png
campestre-branco.png
mauricio padilha.png
FORNO-&CIA.png
projetilar.png
michelle.png
jornal-carangola.png