top of page
  • Foto do escritorJornal Carangola

Com termelétricas, conta de luz deve ficar mais cara pelo menos até 2025

O uso de termelétricas, que poluem mais e geram energia mais cara, para evitar um apagão em meio a crise hídrica gerou um gasto maior com geração de energia no Brasil. Esse gasto é repassado para consumidores, o que deve fazer com que a conta de luz fique mais cara até 2025, pelo menos.


As termelétricas irão custar cerca de R$ 13,1 bilhões até novembro, segundo previsões do ONS (Operador Nacional do Sistema Elétrico). Além desse valor, que já aumenta as taxas da conta de luz, o governo prepara para outubro um novo leilão, que deve aumentar a participação da fonte de energia na matriz brasileira.


O governo acionou todas as usinas termelétricas em maio para evitar o racionamento. Na época a Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) tinha colocado em prática a bandeira tarifária vermelha 1. Com essa mudança, o consumidor pagava uma taxa de R$ 4,16 para cada 100 quilowatts-hora consumidos.


No fim de agosto, a Aneel anunciou a chamada “bandeira escassez hídrica”, no valor de R$ 14,20 por 100 kWh. É quase 50% a mais que o do patamar 2 da bandeira vermelha que estava em vigor, de R$ 9,49.


Segundo a decisão da Aneel, a bandeira ficará em vigor até 30 de abril de 2022. Mas o ministro Bento Albuquerque (Minas e Energia) já afirmou que não há previsão de quando a crise irá terminar.


O leilão que o governo pretende realizar em outubro pode fazer o custo das termelétricas ficar ainda mais caro. Segundo as regras estipuladas para a compra de energia, serão pagos até R$ 750 por MWh (megawatt-hora) para termelétricas movidas a gás e até R$ 1.000 por MWh de usinas de óleo diesel e óleo combustível.


O preço indicado, segundo o próprio Ministério de Minas e Energia, é maior que os praticados anteriormente. A justificativa, segundo a pasta, são os “prazos desafiadores” para a entrega da energia contratada. A entrega seria de maio de 2022 a dezembro de 2025. Eis a íntegra da portaria que dita as regras do leilão (351 KB).

leilao-mme-termeletricas
.pdf
Fazer download de PDF • 360KB

O ministério espera que os valores mais atrativos permitam maior competição e, assim, ofertas atrativas sejam apresentadas. Ainda assim, a continuidade do uso das termelétricas pressiona a conta de luz porque a geração de energia por meio dessas usinas é mais cara do que a hidrelétricas.


Atualmente, o Brasil enfrenta a pior crise hídrica dos últimos 91 anos. Os reservatórios continuam baixando e no Sudeste e Centro-Oeste, que concentram 70% de toda a água do país, o nível médio dos reservatórios é inferior a 20%. Para funcionar, reservatórios de água de usinas hidrelétricas devem operar com, pelo menos, 10% da sua capacidade.


O período úmido, de dezembro a fevereiro, não deve ajudar muito. O ONS prevê que em abril o nível de reservatórios pode ir a 24%, pior marca para o mês desde o início da série histórica, que começou em 2000.


A previsão, para a ONS, fortalece a necessidade de continuar utilizando as termelétricas. O diretor-geral do órgão, Luiz Carlos Ciocchi, já afirmou que essa será a recomendação do ONS, mesmo com uma melhora de cenário para poder ter uma reserva de energia.


Comments


O Jornal Carangola não se responsabiliza por qualquer comentário expresso no site ou através de qualquer outro meio, produzido através de redes sociais ou mensagens.
O Jornal Carangola se reserva o direito de eliminar os comentários que considere inadequados ou ofensivos, provenientes de fontes distintas.
As opiniões são de responsabilidade exclusivamente de seus autores.

49.png

Parceiros

exame.png
sicredi 2.gif
2.png
mauricio padilha.png
FOTO PERFIL.png
projetilar.png
LOGOS AYA 2.png
437755017_956548816474171_2121639489067002229_n.jpg
PURO SABOR FOTO PERFIL.png
438198013_958102139652172_1147900987193066066_n (1).jpg
sinergiasolar1_1699029985861.jpeg
WhatsApp Image 2024-04-19 at 16.04.49 (1).jpeg
sicredibotucarai_1705112184178.jpeg
FOTO-PERFIL.png
jornalcarangola_1705119737294.jpeg
PERFIL.png
bottom of page