top of page
  • Foto do escritorJornal Carangola

Dia Nacional de Conscientização da Esclerose Múltipla 2021

Especialistas em doenças degenerativas apresentam informações sobre os estágios da doença e o papel da família no tratamento, pelo Dia Nacional de Conscientização da Esclerose Múltipla 2021.


O fim do Agosto Laranja está chegando e, com ele, o Dia Nacional de Conscientização sobre a Esclerose Múltipla, celebrado em 30 de agosto. A data, instituída pela Lei nº 11.303/2.006 , é dedicada a esclarecer sobre a doença rara e autoimune que afeta cerca de 2,3 milhões de pessoas no mundo, segundo a Federação Internacional de Esclerose Múltipla. Já no Brasil, são pelo menos 40 mil pessoas com a doença, segundo a Biblioteca Virtual em Saúde , do Ministério da Saúde.

Conheça os sinais de alerta para diagnóstico do paciente


A EM (Esclerose Múltipla) é uma “doença neurológica inflamatória e degenerativa que produz inflamação cerebral com formação de placas presentes tanto no cérebro, na região cortical e subcortical, como na medula”, conforme explica o neurologista, especialista em doenças degenerativas e membro da Doctoralia, Flávio Sallem.


Foi pensando nesta data de conscientização, que a Doctoralia , empresa do Grupo Docplanner , em conjunto com o especialista, reuniu algumas informações para desmistificar a doença, além de promover o diagnóstico e o tratamento precoce.


Entendendo as formas e sintomas


Por se tratar de uma patologia com manifestações distintas, são as diversas formas da EM que facilitam a identificação do diagnóstico e tratamento, visto que não há cura.


“A forma Remitente-Recorrente (EMRR), geralmente responde por 85% dos eventos em geral. Nela, ocorrem surtos que podem se resolver completamente ou podem deixar sequelas, com frequência variada. Já a forma Secundariamente Progressiva (EMSP) é sempre derivada da remitente recorrente, em que o paciente começa a ter uma neurodegeneração pior da marcha, ou seja, o deslocamento de um ponto para o outro e dos movimentos em geral”, comenta o neurologista.

Na EMSP, ela é definida quando o paciente apresenta inicialmente surtos e remissões e, após algum tempo, a doença se torna progressiva e o paciente piora de forma lenta, sem que obrigatoriamente tenha novos surtos.


Ainda segundo o especialista, outro estágio da doença é a EM Primária Progressiva (EMPP), no qual o paciente tem uma alteração de marcha sem muitos surtos, mas com sequelas e sintomas progressivos da doença medular em geral.

CONTINUA APÓS PUBLICIDADE

Apesar de variáveis, os sintomas da Esclerose Múltipla mais comuns entre brasileiros são: neurite óptica, ou seja, perda visual; fraqueza muscular dos membros inferiores e membros superiores; alterações cognitivas, de memória, espaciais ou frontais e de linguagem; e, por fim, surtos simulando o AVC.

Da mesma forma, o neurologista e especialista em doenças desmielinizantes e neuroftalmologia, Alessandro Finkelsztejn, reforça a importância da conscientização da EM de maneira ampla.


“A palavra conscientização é um termo abrangente, que vai desde a conscientização do paciente – no sentido de aceitação da doença, por exemplo – até a conscientização da sociedade como um todo”, explica Finkelsztejn.

De acordo com o especialista Alessandro, apesar de muitos aspectos da EM serem bastante debatidos, ainda existem desafios, como a necessidade do paciente fazer acompanhamento oftalmológico. “O acesso ao oftalmologista e neuroftalmologista deveria ser mais fácil. Quem tem esclerose múltipla, precisa ter acompanhamento dessa especialidade – uma vez que a EM também pode trazer complicações na visão.


O papel da família


Para Sallem, um dos principais papeis da família do paciente é a compreensão. “É preciso entender que não se trata de frescura ou fraqueza, mas de uma doença neurológica que pode evoluir para um quadro de deficiência“, reforça.

Além da vulnerabilidade para a violência doméstica, historicamente, as pessoas com deficiência lidam com baixo acesso ao mercado de trabalho, à mobilidade urbana e à educação. De acordo com o relatório mais atual do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos (MMFD), de 2020, foram registradas 12.868 denúncias de violências praticadas contra Pessoas com Deficiência.


“Orientar o paciente, ser seu porto seguro, auxiliá-lo nas tarefas do dia a dia ou em demandas mais difíceis, fornecer as medicações e acompanhamento também são cuidados extremamente necessários para que o paciente possa ter uma vida mais tranquila e positiva”, conclui Sallem.

Por sua vez, o neurologista Alessandro Finkelsztejn ressalta que é senso comum entre os especialistas a necessidade do paciente ter acesso rápido a terapia mais adequada. “Nos casos de esclerose múltipla altamente ativa, existe uma tendência que sugere que quanto mais precocemente o paciente for diagnosticado e, tratado com medicações de alta eficácia, melhor será o controle da EM e estabilidade da doença. O atraso em atingir as medicações mais apropriadas pode facilitar a presença de surtos e de sequelas”, conclui.


Por Alex Ferreira JORNALISTA INCLUSIVO NAS REDES SOCIAIS: Siga @jornalcarangola

Comments


O Jornal Carangola não se responsabiliza por qualquer comentário expresso no site ou através de qualquer outro meio, produzido através de redes sociais ou mensagens.
O Jornal Carangola se reserva o direito de eliminar os comentários que considere inadequados ou ofensivos, provenientes de fontes distintas.
As opiniões são de responsabilidade exclusivamente de seus autores.

49.png

Parceiros

exame.png
sicredi 2.gif
2.png
mauricio padilha.png
FOTO PERFIL.png
projetilar.png
LOGOS AYA 2.png
437755017_956548816474171_2121639489067002229_n.jpg
PURO SABOR FOTO PERFIL.png
438198013_958102139652172_1147900987193066066_n (1).jpg
sinergiasolar1_1699029985861.jpeg
WhatsApp Image 2024-04-19 at 16.04.49 (1).jpeg
sicredibotucarai_1705112184178.jpeg
FOTO-PERFIL.png
jornalcarangola_1705119737294.jpeg
PERFIL.png
bottom of page