top of page
  • Foto do escritorJornal Carangola

Governo de Minas investe R$ 376 milhões em alimentação de qualidade nas escolas da rede estadual de

Incentivo à agricultura familiar, investimentos para compra de novos equipamentos para as cozinhas e aditivo no recurso financeiro integram ações de fomento a uma boa alimentação escolar


Nesta sexta-feira (21/10), é comemorado o Dia Nacional da Alimentação na Escola, e Governo de Minas, por meio da Secretaria de Estado de Educação de Minas Gerais (SEE/MG) se orgulha do trabalho realizado nas mais de 3,5 mil escolas da rede estadual de ensino nas quais são seguidas as diretrizes para uma alimentação saudável e de qualidade para todos 1,7 milhão de estudantes matriculados. A alimentação escolar é oferecida diariamente dentro das escolas a todos os alunos matriculados na rede estadual conforme a modalidade de ensino e suas necessidades, especificidades e carga horária. Além dos recursos federais do Programa Nacional de Alimentação Escolar (Pnae), de cerca de R$ 140 milhões, o Governo de Minas aplica mais R$ 340 milhões de recursos estaduais, visando garantir uma alimentação de excelência diariamente aos estudantes. Em relação ao atual cenário econômico no qual houve constantes aumentos nos preços dos alimentos, a SEE/MG, ciente da situação e visando minimizar os seus efeitos, repassou, além dos R$ 340 milhões citados, o valor extra de aproximadamente R$ 36 milhões para reforçar ainda mais a alimentação escolar dos alunos para não faltarem proteínas, carboidratos, lipídeos e demais ingredientes no preparo. A nutricionista do quadro técnico da Diretoria de Suprimento Escolar da SEE/MG, Larissa Fernanda Fonseca Guedes, aponta que uma das principais contribuições da alimentação escolar é o suporte nutricional aos estudantes carentes. “Atualmente, existem milhões de brasileiros em situação de insegurança alimentar e isso significa que essas pessoas têm o acesso comprometido ou mesmo faltam alimentos em quantidades necessárias à manutenção da saúde. Os alunos que vivenciam essa situação de insegurança no contexto alimentar, muitas vezes têm o seu direito à alimentação adequada preservado somente na escola”, ressalta a nutricionista. Cardápios da rede estadual A mudança mais recente em relação às diretrizes da alimentação escolar ocorreu em 2020 quando foi estabelecida a Resolução do PNAE nº 06/2020 e novos parâmetros nutricionais se alinharam ao Guia Alimentar Para a População Brasileira, às recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS) e à Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS). Passaram a ser adotadas restrições de açúcares, sódio, gorduras e exigiu incentivos ao consumo de alimentos in natura. As refeições da rede estadual são elaboradas conforme as cartilhas de “Cardápios da Alimentação Escolar”, que apresentam opções variadas e equilibradas, estimulando o consumo de frutas e hortaliças e baixos teores de sal/sódio e açúcar, além de favorecer o consumo de alimento regionais e da safra. Neste link estão disponibilizados os cardápios utilizados em cada modalidade de ensino. Quanto a preferência dos estudantes a uma refeição, a nutricionista do quadro técnico da Diretoria de Suprimento Escolar diz que no horário regular o feijão-tropeiro e a feijoada são os pratos mais requisitados. Para o período integral, os estudantes têm gostado das preparações de peixe que foram inseridas na cartilha em 2021. Na hora do lanche, o sucesso é o pão de queijo de batata, preparado nas próprias cantinas, receita inserida no cardápio pelas nutricionistas da SEE/MG. Além das frutas, oferecidas junto às refeições. As escolas são orientadas a produzir quantidade suficiente para que o estudante tenha oportunidade de repetir, caso deseje. No ensino regular é oferecida uma refeição e no Novo Ensino Médio duas, devido ao tempo de permanência dos estudantes na escola. Já no Ensino Médio em Tempo Integral (EMTI) é ofertado um total de três refeições. Incentivo à agricultura familiar A Lei nº 11.947/2009 determina que 30% do recurso da alimentação escolar seja aplicado em compras dos produtores familiares. Assim, a SEE/MG, a Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (SEAPA) e a Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado de Minas Gerais (Emater) criaram ações que incentivam a agricultura familiar para o fornecimento dos alimentos às escolas de acordo com as realidades de cada região do estado. “Para atingir este objetivo temos feito regularmente capacitações com as escolas estaduais e a implementação de novas formas de se realizar as compras, como os processos de Chamadas Públicas Unificadas. A maior dificuldade encontrada é a de conseguir produtores capacitados e legalmente habilitados para participar dos processos de chamada públicas, além de que em algumas regiões existem pouca variedade de produtos ofertados. Portanto, é necessário o trabalho em conjunto para organizar a oferta dos produtos, agindo na capacitação dos produtores rurais”, aponta a diretora de Suprimento Escolar da SEE/MG e gestora do Programa de Alimentação Escolar, Valéria Batista Nascimento. Segundo ela, a SEE/MG vem tendo êxito nas ações. “A cada ano aumentamos o índice e a expectativa é de que neste ano iremos ultrapassar os, 30% exigido pela lei para compras da agricultura familiar para a alimentação nas escolas”, conta a diretora de Suprimento Escolar. Cestas entregues durante a pandemia da covid-19 Mesmo com a adoção do ensino híbrido nas escolas estaduais em 2021 e durante o período mais restritivo da pandemia da covid-19 quando o regime de aulas era totalmente remoto, os alunos receberam kits com produtos alimentícios e a alimentação não deixou de ser ofertada pelo estado. SEE / Divulgação“Toda escola teve o direcionamento de qual produto seria melhor para compor o kit. Havia a questão de não ter produtos perecíveis, por exemplo. Nós demos o caminho, mas a decisão foi de cada unidade de acordo com a realidade local. Foram priorizados alimentos como óleo, arroz, feijão, uma verdura e fruta que tivessem mais durabilidade e conforme a sazonalidade da época. Demos, prioridade, à comida que ia matar a fome dessa criança e adolescente naquele momento”, relembra a diretora do Suprimento Escolar, Valéria. Em 2021 foram distribuídos 6,4 milhões de kits. Cozinhas equipadas A SEE/MG tem investido para que as escolas estaduais estejam cada vez mais equipadas para atender aos estudantes com qualidade e conforto. A pasta repassou recursos para as unidades de ensino adquirirem equipamentos e mobiliários para renovar os espaços conforme a necessidade de cada uma. O investimento total nessa iniciativa foi de R$ 500 milhões e todas as escolas da rede foram contempladas. Os gestores compraram itens como geladeiras, freezers, micro-ondas, fogões, balanças para pesar os alimentos e panelas. Por Agência Minas

Comentarios


O Jornal Carangola não se responsabiliza por qualquer comentário expresso no site ou através de qualquer outro meio, produzido através de redes sociais ou mensagens.
O Jornal Carangola se reserva o direito de eliminar os comentários que considere inadequados ou ofensivos, provenientes de fontes distintas.
As opiniões são de responsabilidade exclusivamente de seus autores.

49.png

Parceiros

exame.png
sicredi 2.gif
2.png
mauricio padilha.png
FOTO PERFIL.png
projetilar.png
LOGOS AYA 2.png
437755017_956548816474171_2121639489067002229_n.jpg
PURO SABOR FOTO PERFIL.png
438198013_958102139652172_1147900987193066066_n (1).jpg
sinergiasolar1_1699029985861.jpeg
WhatsApp Image 2024-04-19 at 16.04.49 (1).jpeg
sicredibotucarai_1705112184178.jpeg
FOTO-PERFIL.png
jornalcarangola_1705119737294.jpeg
PERFIL.png
bottom of page