top of page
  • Foto do escritorJornal Carangola

Novo estudo indica riscos da cloroquina contra a covid-19

Registros de 96 mil pacientes em todo o mundo concluem que medicamento aumenta taxa de mortalidade.


Um novo estudo realizado em quase 100 mil infectados com o novo coronavírus concluiu que os medicamentos cloroquina e seu derivado hidroxicloroquina, empregados há décadas contra a malária, não trazem benefícios no tratamento contra a covid-19. Pelo contrário, essas drogas aumentam o risco de morte para os pacientes nos hospitais.


A hidroxicloroquina, normalmente utilizada no tratamento contra a e artrite, vinha sendo alardeada por algumas figuras publicas, como o presidente americano, Donald Trump, como benéfica no combate à doença. Trump, inclusive, chegou a afirmar que estava se tratando preventivamente com o medicamento.


O uso da cloroquina, normalmente aplicada em tratamentos contra a malária, vem sendo defendido pelo presidente Jair Bolsonaro como sendo eficaz no combate à doença.


Entretanto, segundo um estudo divulgado no jornal científico The Lancet nesta sexta-feira (22/05), os dois medicamentos podem causar efeitos colaterais graves, em particular, arritmia cardíaca.


"O tratamento com cloroquina ou hidroxicloroquina não traz benefícios aos pacientes com covid-19", afirmou Mandeep Mehra, autor do estudo e diretor-executivo do Centro para Doenças Cardíacas Avançadas do Hospital Brigham and Women's em Boston, nos EUA. "Ao contrário, nossas conclusões sugerem que podem estar associados a um aumento no risco de problemas cardíacos graves e de morte."


Os pesquisadores chegaram a essa conclusão após examinarem registros hospitalares de 96 mil pacientes em 671 de hospitais em seis continentes. Eles compararam os resultados de quatro grupos: pacientes tratados somente com hidroxicloroquina, somente com cloroquina, e outros dois grupos que receberam esses medicamentos em combinação com antibióticos.


Entre estes pacientes, 14.888 receberam hidroxicloroquina ou cloroquina com ou sem o antibiótico macrólido, enquanto 81.144 não foram medicados com nenhum destes fármacos.


"Não apenas não há benefício, mas também vimos sinais muito consistentes de danos à saúde", disse Mehra. Os pesquisadores calculam que a taxa de mortalidade entre os pacientes tratados com hidroxicloroquina é de 18% e, no caso da cloroquina, 16,4%. Sem a aplicação dessas drogas, essa taxa ficou em 9%.


Já entre os pacientes que receberam os medicamentos em combinação com antibióticos, a taxa foi muito maior, chegando a 22,8% com a cloroquina e 23,8% com a hidroxicloroquina.


O artigo publicado no The Lancet não é um teste específico do uso dos dois medicamentos, mas se trata da maior avaliação já feita sobre os resultados de suas aplicações em ambientes no mundo real.


Apesar de apenas observacional, o tamanho e a amplitude do estudo trazem um impacto significativo, segundo avalia o diretor do Centro Médico da Universidade Vanderbilt, David Aronoff. "Isso realmente nos dá um a grau de confiança de que é improvável que vejamos maiores benefícios desses medicamentos no tratamento da covid-19", afirmou.


"Vários países defendem o uso da cloroquina ou hidroxicloroquina, tanto isoladamente quanto em combinação, como um potencial tratamento para a covid-19", observou o diretor do Centro Cardíaco do Hospital de Zurique e coautor do estudo, Frank Ruschitzka. Ele avalia que as chances de esses medicamentos melhorarem o quadro dos pacientes infectados com o coronavírus são "bastante baixas".


Os autores do estudo ressaltam que esses tratamentos não devem ser aplicados fora dos testes clínicos, até que os resultados desses exames estejam disponíveis e confirmem a segurança e eficácia da cloroquina e hidroxicloroquina no tratamento contra a covid-19.


Uso de cloroquina e hidroxicloroquina em pacientes com covid-19 pode aumentar

risco de morte, diz estudo


Ministério da Saúde liberou uso dos dois medicamentos


No Brasil, o Ministério da Saúde divulgou na última quarta-feira um novo protocolo permitindo que a cloroquina e a hidroxicloroquina sejam administradas também em casos leves da doença. A medida, que visa ampliar a possibilidade do uso desses medicamentos, foi feita a pedido do próprio Bolsonaro.


O presidente vem defendendo insistentemente a substância para combater a pandemia do coronavírus, apesar de não haver comprovação científica da eficácia do medicamento em pacientes com covid-19.


A insistência de Bolsonaro em ampliar o uso da cloroquina foi um dos motivos de divergência que levou à demissão do ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta, e menos de um mês depois de seu sucessor, Nelson Teich.


O presidente havia sinalizado que alteraria o protocolo sobre a cloroquina mesmo sem a concordância do titular da pasta.


Redação Jornal Carangola

Comentários


O Jornal Carangola não se responsabiliza por qualquer comentário expresso no site ou através de qualquer outro meio, produzido através de redes sociais ou mensagens.
O Jornal Carangola se reserva o direito de eliminar os comentários que considere inadequados ou ofensivos, provenientes de fontes distintas.
As opiniões são de responsabilidade exclusivamente de seus autores.

49.png

Parceiros

exame.png
sicredi 2.gif
2.png
mauricio padilha.png
FOTO PERFIL.png
projetilar.png
LOGOS AYA 2.png
sicredibotucarai_1705112161896.jpeg
PURO SABOR FOTO PERFIL.png
sicredibotucarai_1699012659833.jpeg
sinergiasolar1_1699029985861.jpeg
sicredi_1705671512067.jpeg
sicredibotucarai_1705112184178.jpeg
FOTO-PERFIL.png
jornalcarangola_1705119737294.jpeg
PERFIL.png
bottom of page