top of page
  • Foto do escritorJornal Carangola

OMS confirma surto do vírus de Marburg, um dos mais letais do mundo



A Organização Mundial da Saúde (OMS) convocou uma reunião de urgência para tratar do surto do vírus de Marburg na Guiné Equatorial. Nove mortes e 16 casos suspeitos foram reportados, e o vírus é da mesma família do Ebola. Sua taxa de mortalidade média é de 50%, mas pode chegar a 88% dependendo da variante do vírus e dos cuidados de saúde prestados ao doente.


A área afetada pelo surto localiza-se numa região rural de floresta densa, perto das fronteiras com Gabão e Camarões. O vírus é altamente contagioso e causa febre hemorrágica, sendo transmitido por morcegos a primatas e seres humanos. Entre humanos, o contágio ocorre por meio de fluidos corporais de pessoas infectadas ou por superfícies e materiais, como roupas de cama.


Em um comunicado enviado à agência de notícias Lusa, o Ministério da Saúde da Guiné Equatorial diz ter detectado uma "situação epidemiológica atípica" em distritos de Nsok Nsomo, depois da morte de pessoas com sintomas de febre, fraqueza, vômitos e diarreia com sangue. O vírus foi confirmado por meio de amostras enviadas para análise no Senegal.
As mortes ocorreram entre 7 de janeiro e 7 de fevereiro. Uma morte suspeita em 10 de fevereiro está sendo investigada. O Ministério da Saúde da Guiné Equatorial declarou estado de alerta sanitário. As autoridades já relataram nove mortos e 16 casos suspeitos, dos quais 14 são assintomáticos e dois têm sintomas leves. Além disso, 21 pessoas estão em isolamento e sob vigilância por terem tido contato com os mortos, e outras 4.325 estão em quarentena em suas casas.

A OMS disse que enviará profissionais para a Guiné Equatorial para ajudar no combate à doença e fornecerá equipamentos de proteção para a equipe médica. "O vírus de Marburg é altamente contagioso. Graças à ação rápida e decisiva das autoridades da Guiné Equatorial na confirmação da doença, a resposta de emergência pode chegar rapidamente para salvar vidas e parar o vírus o mais rapidamente possível", disse Matshidiso Moeti, diretora regional da OMS para África.

O vírus de Marburg já causou surtos e casos esporádicos em países como Angola, Gana, Guiné-Conacri, República Democrática do Congo, Quênia, África do Sul e Uganda. Em um surto de 2004 em Angola, 90% das 252 pessoas infectadas morreram. Em 2022, duas mortes pelo vírus de Marburg foram relatadas em Gana. Até hoje não há vacinas ou medicamentos autorizados para a doença, mas o tratamento de reidratação para aliviar os sintomas pode aumentar as chances de sobrevivência.


Editorial

Este surto do vírus de Marburg na Guiné Equatorial é um lembrete alarmante da importância da vigilância e resposta rápida para lidar com doenças infecciosas. Embora este vírus seja menos conhecido que o Ebola, é igualmente letal e pode se espalhar rapidamente se medidas adequadas não forem tomadas.


É preciso reconhecer os esforços das autoridades da Guiné Equatorial e da OMS em lidar com a situação de forma rápida e decisiva, trabalhando em conjunto para controlar a disseminação do vírus e fornecer assistência médica e equipamentos de proteção para os profissionais de saúde.


No entanto, este surto destaca a necessidade de um esforço global contínuo para investir em pesquisas e desenvolvimento de vacinas e tratamentos para doenças infecciosas, além de promover a cooperação internacional em emergências de saúde pública.


A disseminação de doenças infecciosas é uma ameaça para a saúde pública em todo o mundo, e é vital que as autoridades, cientistas e organizações de saúde trabalhem juntos para responder rapidamente a surtos e prevenir a propagação de doenças perigosas.


Como jornalista inclusivo, espero que este artigo sirva como um lembrete de que a informação é uma ferramenta essencial para enfrentar os desafios globais de saúde pública. E espero que possamos continuar a trabalhar juntos para proteger a saúde e o bem-estar de todos os indivíduos e comunidades afetados por doenças infecciosas em todo o mundo.


Por | Alex Ferreira Jornalista Inclusivo

O Jornal Carangola não se responsabiliza por qualquer comentário expresso no site ou através de qualquer outro meio, produzido através de redes sociais ou mensagens.
O Jornal Carangola se reserva o direito de eliminar os comentários que considere inadequados ou ofensivos, provenientes de fontes distintas.
As opiniões são de responsabilidade exclusivamente de seus autores.

49.png

Parceiros

exame.png
sicredi 2.gif
2.png
mauricio padilha.png
FOTO PERFIL.png
projetilar.png
LOGOS AYA 2.png
sicredibotucarai_1705112161896.jpeg
PURO SABOR FOTO PERFIL.png
sicredibotucarai_1699012659833.jpeg
sinergiasolar1_1699029985861.jpeg
sicredi_1705671512067.jpeg
sicredibotucarai_1705112184178.jpeg
FOTO-PERFIL.png
jornalcarangola_1705119737294.jpeg
PERFIL.png
bottom of page