top of page
  • Foto do escritorJornal Carangola

Paralisação divide caminhoneiros e sindicatos da categoria

A possibilidade de uma nova greve dos caminhoneiros neste domingo (25) deixa os brasileiros apreensivos.

Embora exista muita divergência entre as lideranças da categoria, algumas associações e sindicatos estão dispostos a uma paralisação para protestar contra o aumento no preço dos combustíveis.


A principal queixa é em relação à política de Preço de Paridade de Importação (PPI) da Petrobras, que regula o preço dos combustíveis de acordo com o mercado internacional. Em 2018, quando houve a primeira grande paralisação dos caminhoneiros, o preço do diesel era de RS$ 2,93/litro – hoje varia por volta de RS$ 4,30/litro. Naquele ano, houve desabastecimento de mercados, redução na frota de ônibus e escassez de combustíveis em todo o País.


As entidades que representam os caminhoneiros no Brasil são difusas e regionais, o que dificulta uma mobilização em nível nacional. O Sindicato das Empresas de Transporte de Cargas e Logísticas do Estado de Minas Gerais (Setcemg) afirma “não haver clima” para uma paralisação como a de 2018, segundo a Rádio Itatiaia.


Já os transportadores autônomos da Baixada Santista decidiram apoiar a paralisação. O presidente do Conselho Nacional do Transporte Rodoviário de Cargas (CNTRC) convoca a greve nacional, em vídeo que circula nas redes sociais. “É lamentável termos que passar humilhação para podermos trabalhar. Ninguém aguenta mais”.


Quem também apoia a greve é a Confederação Nacional dos Trabalhadores em Transportes e Logística (CNTTL) e o Conselho Nacional do Transporte Rodoviário de Cargas (CNTRC).


Outra importante entidade da categoria, a Associação Brasileira dos Condutores de Veículos Automotores (Abrava) não irá aderir ao movimento, de acordo com seu presidente, Wallace Landim “Chorão”, um dos líderes da greve de 2018.


“Consideramos justa a ação da categoria dos caminhoneiros autônomos nessa paralisação, no entanto, a Abrava não participará”, afirmou Landim ao jornal Gazeta do Povo.

Comments


O Jornal Carangola não se responsabiliza por qualquer comentário expresso no site ou através de qualquer outro meio, produzido através de redes sociais ou mensagens.
O Jornal Carangola se reserva o direito de eliminar os comentários que considere inadequados ou ofensivos, provenientes de fontes distintas.
As opiniões são de responsabilidade exclusivamente de seus autores.

49.png

Parceiros

exame.png
sicredi 2.gif
2.png
mauricio padilha.png
FOTO PERFIL.png
projetilar.png
LOGOS AYA 2.png
437755017_956548816474171_2121639489067002229_n.jpg
PURO SABOR FOTO PERFIL.png
438198013_958102139652172_1147900987193066066_n (1).jpg
sinergiasolar1_1699029985861.jpeg
WhatsApp Image 2024-04-19 at 16.04.49 (1).jpeg
sicredibotucarai_1705112184178.jpeg
FOTO-PERFIL.png
jornalcarangola_1705119737294.jpeg
PERFIL.png
bottom of page