top of page
  • Foto do escritorJornal Carangola

Polícia Federal e Ministério Público Federal deflagram operações de combate a fraudes contra a Caixa

Agentes cumprem mandados de busca e apreensão em Juiz de Fora, Brasília e Fortaleza nas operações 'Prados' e 'American Dream 2' para desarticular associações criminosas.


A Polícia Federal (PF) e o Ministério Público Federal (MPF) deflagraram nesta terça-feira (16) as operações “Prados” e “American Dream 2” em Minas Gerais, Distrito Federal e no Ceará. O objetivo é desarticular associações criminosas responsáveis pela prática de fraudes bancárias contra a Caixa Econômica Federal. De acordo com as informações divulgadas pela Polícia Federal, foram cumpridos 15 mandados judiciais de busca e apreensão, expedidos pela 2ª Vara Federal de Juiz de Fora. São 13 na cidade mineira, um em Brasília (DF) e um em Fortaleza (CE).

Também estão em andamento medidas de quebra de sigilo bancário, para apurar o valor total do prejuízo causado às instituições financeiras. Os nomes dos suspeitos não foram divulgados. Nossa reportagem pediu posicionamento à Caixa Econômica e aguarda retorno.


Operação Prados

Segundo a Polícia Federal, o grupo investigado nesta operação é formado por um contador e por jovens empresários de Juiz de Fora. Eles usavam documentos falsos para constituir empresas fictícias em nome de “fantasmas” e abrir contas bancárias em diversas instituições financeiras, inclusive na Caixa, para conseguir empréstimos de natureza pessoal e empresarial.


Durante as apurações, foi verificado que um mesmo investigado teria utilizado cinco números de Cadastro de Pessoas Físicas (CPF) diferentes, com pequenas variações de dados pessoais, para constituir empresas e obter empréstimos bancários que não foram quitados.

O nome da operação, “Prados”, é uma referência ao sobrenome mais utilizado pelos fraudadores na confecção dos documentos falsos.


Operação American Dream 2

Esta operação é um desdobramento da Operação “American Dream”, deflagrada em Juiz de Fora em 20 de outubro de 2015. A ação desarticulou uma organização criminosa que fraudava cartões de crédito e os usava para comprar produtos no exterior, que eram revendidos no Brasil por valores 10% a 30% mais baratos. Na época, 14 pessoas foram presas em Juiz de Fora, Rio de Janeiro e em Maringá. O foco foi em Juiz de Fora; prejuízo estimado era de mais de R$ 20 milhões.


Nesta terça (16), o objetivo é responsabilizar criminalmente cinco integrantes do grupo criminoso não identificados na primeira fase da investigação. Entre eles, estão dois empregados da Caixa Econômica Federal, sendo um de Brasília e o outro de Fortaleza (CE), suspeitos de vazar dados de correntistas para os membros da quadrilha incumbidos de operacionalizar a clonagem de cartões de crédito.

O Jornal Carangola não se responsabiliza por qualquer comentário expresso no site ou através de qualquer outro meio, produzido através de redes sociais ou mensagens.
O Jornal Carangola se reserva o direito de eliminar os comentários que considere inadequados ou ofensivos, provenientes de fontes distintas.
As opiniões são de responsabilidade exclusivamente de seus autores.

49.png

Parceiros

exame.png
sicredi 2.gif
2.png
mauricio padilha.png
FOTO PERFIL.png
projetilar.png
LOGOS AYA 2.png
sicredibotucarai_1705112161896.jpeg
PURO SABOR FOTO PERFIL.png
sicredibotucarai_1699012659833.jpeg
sinergiasolar1_1699029985861.jpeg
sicredi_1705671512067.jpeg
sicredibotucarai_1705112184178.jpeg
FOTO-PERFIL.png
jornalcarangola_1705119737294.jpeg
PERFIL.png
bottom of page