top of page
  • Foto do escritorJornal Carangola

Programa Minha Casa, Minha Vida amplia possibilidades de acesso à moradia


Santo Amaro (BA), 14.02.2023 - Lançamento do novo programa Minha Casa Minha Vida e entrega de empreendimentos. Residencial Vida Nova Sacramento e Residencial Vida Nova Santo Amaro I. Foto: Ricardo Stuckert/PR


A nova versão do programa Minha Casa, Minha Vida, lançada recentemente pelo ex-presidente Lula, amplia as possibilidades de acesso à moradia, com a permissão da compra de imóveis usados. Anteriormente, a política habitacional era restrita à construção de novas unidades. Agora, a aquisição de casas ou apartamentos usados pelo programa está disponível para famílias com renda entre R$ 2.640 e R$ 8 mil, com financiamento subsidiado com recursos do FGTS e taxas de juros menores.


Para famílias com renda entre R$ 2.640 e R$ 4.400, o subsídio do FGTS inclui um desconto no valor do imóvel, a fundo perdido, ou seja, o Fundo Garantidor não é reembolsado. Na faixa de renda mais baixa, de até R$ 2.640, apenas a compra de imóveis novos será permitida, incentivando a construção de novas moradias e a geração de empregos, e o governo federal arcará com até 95% do valor do imóvel com recursos do Tesouro.


Além de liberar a compra de imóveis usados, a nova versão do programa inclui outras frentes para ampliar o acesso à moradia e combater o déficit habitacional, como reforma e aluguel social. A ampliação dos subsídios para imóveis usados será submetida ao Conselho Curador do FGTS, formado por representantes do governo, dos empregadores e trabalhadores.


Com a regulamentação do Ministério das Cidades em até 90 dias, as contratações de imóveis a serem seguidas por construtoras, prefeituras e pela Caixa Econômica Federal, principal agente financeiro do programa, serão definidas. Outros temas, como aluguel social e reforma de imóveis, serão regulamentados em até 90 dias.


O programa possibilita o acesso à casa própria, mas é importante que as famílias se atentem a um ponto importante: elas terão que morar no imóvel por cinco anos, no mínimo, antes de vendê-lo. As prefeituras terão a responsabilidade de elaborar o cadastro dos beneficiados e prestar assistência às famílias para evitar que elas repassem o imóvel e voltem a ocupar áreas irregulares.


O Minha Casa, Minha Vida tem como foco principal as famílias com renda de até R$ 2.640 e pretende combater o déficit habitacional no país, mas para que isso aconteça é preciso que haja a implementação efetiva das políticas habitacionais. A iniciativa é uma oportunidade para que essas pessoas possam ter acesso a uma moradia digna, além de impulsionar a economia e gerar empregos no setor da construção civil. Por | Alex Ferreira

Jornalista Inclusivo

Comments


O Jornal Carangola não se responsabiliza por qualquer comentário expresso no site ou através de qualquer outro meio, produzido através de redes sociais ou mensagens.
O Jornal Carangola se reserva o direito de eliminar os comentários que considere inadequados ou ofensivos, provenientes de fontes distintas.
As opiniões são de responsabilidade exclusivamente de seus autores.

49.png

Parceiros

exame.png
sicredi 2.gif
2.png
mauricio padilha.png
FOTO PERFIL.png
projetilar.png
LOGOS AYA 2.png
437755017_956548816474171_2121639489067002229_n.jpg
PURO SABOR FOTO PERFIL.png
438198013_958102139652172_1147900987193066066_n (1).jpg
sinergiasolar1_1699029985861.jpeg
WhatsApp Image 2024-04-19 at 16.04.49 (1).jpeg
sicredibotucarai_1705112184178.jpeg
FOTO-PERFIL.png
jornalcarangola_1705119737294.jpeg
PERFIL.png
bottom of page