top of page
  • Foto do escritorJornal Carangola

Tempestade Akará: entenda os riscos de fenômeno considerado raro no Brasil; veja imagens

 Um ciclone considerado raro na costa brasileira fez a transição de subtropical para tropical antes de se tornar tempestade ao longo do último fim de fim de semana, de acordo com a Metsul. Nomeado no domingo, 18, como Akará, espécie de peixe em Tupi antigo, em nomenclatura dada pela Marinha do Brasil, o fenômeno segue atuando pela costa da região Sul do País. A expectativa é que continue em alto-mar nesta terça-feira, 20, sem se aproximar efetivamente do continente.


Imagens de satélite registradas na segunda-feira, 19, da tempestade tropical Akará sobre o mar a leste do Rio Grande do Sul. Foto: Reprodução/NOAA/Nasa/Via Metsul© Fornecido por Estadão


De acordo com a Climatempo, a tempestade tropical Akará não tem influência direta na chuva nem em ventos fortes que possivelmente ocorram no continente.

 

“Os temporais são das nuvens cumulonimbus, que provocam fortes pancadas de chuva e que crescem fartamente sobre o País por causa da grande disponibilidade de ar quente e úmido. Mas, a tempestade tropical causa ventos fortes sobre o oceano e isso deixa o mar agitado na costa do Sul e do Sudeste e os navegantes precisam ficar atentos aos avisos da Marinha do Brasil”, acrescenta a empresa brasileira de meteorologia.

 

Uma tempestade tropical é o último estágio de desenvolvimento abaixo de um furacão. “Mas até o momento, não há expectativa que Akará se intensifique mais e se transforme em um furacão”, afirma a empresa de meteorologia. É o primeiro ciclone a ser nomeado no Brasil desde a tempestade subtropical Yakecan, em maio de 2022.

 

A tendência é que vá se afastando mais na quarta-feira, 21, e a partir de quinta-feira, 22, não atuará mais sobre o País, de acordo com o meteorologista da Climatempo.




Entenda como ocorreu a transição de subtropical para tropical, segundo o meteorologista Guilherme Borges:

  • 14 de fevereiro: a Marinha do Brasil emitiu o alerta para a previsão do ciclone subtropical na noite do dia, 14.

  • 15 de fevereiro: inicialmente o ciclone passou pelo estágio de uma depressão subtropical, com ventos menores do que 63 km/h e pressão atmosférica mínima de 1010 hPa. Ele foi identificado pela Marinha do Brasil como um ciclone em alto-mar, na costa do Rio de Janeiro, na altura de Arraial da Cabo, a pouco mais de 200 km afastado do continente. Com formação na noite de quinta-feira, 15, o ciclone subtropical continuou ganhando força em alto-mar, na costa do Rio de Janeiro.

  • 16 de fevereiro: o sistema se manteve como depressão subtropical, ainda na costa do Rio de Janeiro, e à noite a pressão atmosférica mínima foi de 1008 hPa. Havia a expectativa que a depressão subtropical se transformasse em tempestade subtropical na noite de sexta-feira, 16.

  • 17 de fevereiro: o sistema se manteve como depressão subtropical, na altura da costa sul do Rio de Janeiro, deslocando-se para o sul em direção à costa de São Paulo. a pressão atmosférica mínima foi de 1006 hPa na análise da Marinha do Brasil, por volta das 9 horas da manhã (horário de Brasília).

  • 18 de fevereiro: na manhã de domingo, o sistema ganhou força e foi reclassificado como depressão tropical na altura da costa de São Paulo, com a pressão atmosférica mínima no centro em 1002 hPa. Como depressão tropical, este ciclone produzia ventos ainda menores do que 63 km/h. No entanto, na noite de domingo, na análise meteorológica da Marinha do Brasil de 21 horas (horário de Brasília), o ciclone se intensificou um pouco mais, com ventos mais fortes, e foi reclassificado como tempestade tropical, recebendo o nome de Akará. A pressão atmosférica mínima era de 1000 hPa e sistema estava em alto-mar, na altura do litoral sul de São Paulo e do Paraná, com ventos estimados entre 63 km/h e até valores menores do que 118 km/h.

  • 19 de fevereiro: seguindo para a região Sul, a tempestade tropical Akará foi observada em alto-mar, na costa de Santa Catarina, com pressão atmosférica mínima de 998 hPa, com ventos entre 63 km/h e até valores menores do que 118 km/h. Por ser tropical os ventos se intensificam. Com esse limiar mais forte (lá, no oceano), o fenômeno, segue em alto mar, trazendo apenas uma leve agitação marítima na costa do Sul e Sudeste, sem impactos no continente, como já mencionado anteriormente.  

Há risco de se tornar um furacão?

 

Assim como a Climatempo, a Metsul também avalia que não há risco de evolução para um furacão.

 

“O centro de baixa pressão na costa do Sul do Brasil foi elevado da categoria de depressão tropical a tempestade tropical, o estágio anterior a um furacão. Com isso, a tempestade foi nomeada e batizada como Akará”, acrescenta a Metsul.

 

A tendência é continue seguindo rumo ao Sul, longe do continente, até se dissipar totalmente, não oferecendo perigo em terra firme. Embora sem causar consequências no continente, Akará proporcionou o registro de algumas imagens de satélite na segunda-feira, 19, conforme divulgou a Metsul.


Por que a tempestade foi batizada de Akará?


Apenas as tempestades tropicais e subtropicais recebem um nome e somente a Marinha do Brasil batiza estas baixas pressões atmosféricas especiais”, disse a empresa de meteorologia Climatempo. Enquanto o ciclone permanece como depressão tropical ou subtropical não é dada uma nomenclatura para ele.


Segundo o meteorologista Guilherme Borges, no início de 2023, a Marinha listou os possíveis nomes dos próximos eventos, que incluia Akará (espécie de peixe), Biguá (ave marinha), Caiobá (habitante da mata), Endy (luz do fogo) e Guarani (guerreiro).


O Akará é o nome indígena do acará, espécie de peixe de rio encontrado na região amazônica e em outros rios do Brasil. “Conhecido por sua carne saborosa, o Akará é frequentemente utilizado na culinária local, preparado de várias maneiras, como frito, assado, cozido ou em ensopados. Além disso, é apreciado por sua carne branca e firme”, explica o meteorologista.


Classificação dos ciclones, segundo a Marinha do Brasil:

  • Ciclones extratropicais: formam-se em latitudes altas, médias ou subtropicais e possuem núcleo frio em toda sua extensão vertical;

  • Ciclones tropicais: formam-se próximo ao Equador e possuem núcleo quente em toda sua extensão vertical;

  • Ciclones subtropicais: formam-se em latitudes subtropicais, tendo núcleo quente mais próximo a superfície e núcleo frio mais alto na atmosfera.

Entenda as diferenças entre depressão tropical e tempestade tropical, conforme a Climatempo:

  • Depressão tropical é uma área de baixa pressão atmosférica com ventos máximos sustentados de até 63 km/h;

  • Tempestade tropical é uma perturbação atmosférica mais organizada, com ventos máximos sustentados entre 63 km/h e 118 km/h e com pressão interna inferior à depressão subtropical. A pressão interna de uma tempestade tropical normalmente pode cair para valores em torno de 990 milibares ou menos, dependendo da intensidade da tempestade.


Por que os ciclones tropicais e subtropicais são raros no Brasil?


Ciclones subtropicais e tropicais precisam de três ingredientes básicos para a sua formação: alta temperatura da superfície do mar, muita umidade próximo da superfície, e um ciclone frio ocorrendo também nos médios níveis da atmosfera (em cerca de 5 km de altura).


“Não é sempre que a temperatura da superfície do mar está suficientemente alta, não é sempre que existe umidade suficiente na região e não é sempre que um ciclone frio ocorre a 5 km de altura. Então, a ocorrência destes três fatores, ao mesmo tempo, e em posições favoráveis, não é muito comum. Por isso estes sistemas são raros”, explica a Climatempo.

Já os ciclones extratropicais, por outro lado, são bem comuns porque seus ingredientes fundamentais (variação de temperatura na horizontal perto da superfície e frentes frias ocorrem constantemente na atmosfera, de acordo com a empresa de meteorologia.


Veja a lista de tempestades tropicais e subtropicais registradas desde 2011 pela Marinha do Brasil:

Antes da tempestade tropical Akará, neste período, somente uma delas tinha sido registrada como tempestade tropical, no caso batizada de Iba.


Entre 14 e 16 de fevereiro de 2021, um ciclone permaneceu apenas como depressão subtropical, não recebendo nome. Outra depressão subtropical também foi registrada entre os dias 6 e 9 de janeiro de 2023, acrescentou a Climatempo.


  • Arani - tempestade subtropical - 14 a 16 de março de 2011;

  • Bapo - tempestade subtropical - 5 a 8 de fevereiro de 2015;

  • Cari - tempestade subtropical - 10 a 13 de março de 2015;

  • Deni - tempestade subtropical - 15 a 16 de novembro de 2016;

  • Eçaí - tempestade subtropical - 4 a 6 de dezembro de 2016;

  • Guará - tempestade subtropical - 9 a 11 de dezembro de 2017;

  • Iba - tempestade tropical - 23 a 28 de março de 2019;

  • Jaguar - tempestade subtropical - 19 a 22 de maio de 2019;

  • Kurumí - tempestade subtropical - 23 a 25 de janeiro de 2020;

  • Mani - tempestade subtropical - 25 a 27 de outubro de 2020;

  • Oquira - tempestade subtropical - 27 a 30 de dezembro de 2020;

  • Potira - tempestade subtropical - 19 a 24 de abril de 2021;

  • Raoni - tempestade subtropical - 28 de junho a 1º de julho de 2021;

  • Ubá - tempestade subtropical - 9 a 12 de dezembro de 2021;

  • Yakecan - tempestade subtropical - 16 a 19 de maio de 2022.

Em 2004 um furacão atingiu o Estado de Santa Catarina, deixando mais de 27,5 mil moradores desalojados, quase 36 mil casas danificadas, 518 feridos e 11 mortos. Os prejuízos chegaram a R$ 1 bilhão. Na ocasião ainda não havia nenhuma opção de nome a ser atribuído aos fenômenos desta natureza, e o furacão foi chamado Catarina. Depois da passagem dele, a Marinha decidiu criar uma lista.


Já Anita foi uma tempestade subtropical que se originou perto do litoral do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina entre 8 e 12 de março de 2010, segundo a Climatempo.

Comments


O Jornal Carangola não se responsabiliza por qualquer comentário expresso no site ou através de qualquer outro meio, produzido através de redes sociais ou mensagens.
O Jornal Carangola se reserva o direito de eliminar os comentários que considere inadequados ou ofensivos, provenientes de fontes distintas.
As opiniões são de responsabilidade exclusivamente de seus autores.

49.png

Parceiros

exame.png
sicredi 2.gif
2.png
mauricio padilha.png
FOTO PERFIL.png
projetilar.png
LOGOS AYA 2.png
sicredibotucarai_1705112161896.jpeg
PURO SABOR FOTO PERFIL.png
sicredibotucarai_1699012659833.jpeg
sinergiasolar1_1699029985861.jpeg
sicredi_1705671512067.jpeg
sicredibotucarai_1705112184178.jpeg
FOTO-PERFIL.png
jornalcarangola_1705119737294.jpeg
PERFIL.png
bottom of page