top of page
  • Foto do escritorJornal Carangola

Ucrânia, tragédia anunciada

Quem imaginar que estamos a um passo do final da guerra Rússia-Ucrânia pode estar redondamente enganado. Comecemos pelo final de semana de 9 de abril, com duas notícias importantes: a visita de Boris Johnson a Kiev, dois dias depois, e a nomeação do general russo Alexander Dvornikov como comandante de operações de solo na Ucrânia. Ele ficou conhecido por sua ação contra civis na Síria. Assumo que o final das hostilidades está longe.


Antes, por vetos da França e da Alemanha, a Ucrânia não pôde se filiar à OTAN. E delongaram o seu ingresso na União Europeia com receio de provocarem a Rússia. Agora, despertados pelos arrasadores relatos da guerra, os europeus acordam para o perigo à sua porta, perigo que pouco tem a ver com questões ideológicas como na década de 1940, mas simplesmente de reconstrução imperial por meio da força, renegando acordos como o Bush-Gorbachev, que pôs fim à União Soviética de modo pacífico, bem como a subsequente criação da federação russa, liderada por Yeltsin.


Ouço e leio depoimentos de líderes que assistiram ou participaram da nova ordem mundial, em especial na Europa. Não foi a expansão pacífica da OTAN quem criou o impasse Rússia-Ucrânia. A exemplo da Geórgia e da mesma Ucrânia (com a questão da Crimeia), o motivo principal tem sido o da recriação de um império russo, e acima de

tudo, a busca de portos em águas quentes e a estruturação de um domínio russo integrado à Europa.


Kiev nasceu antes de Moscou e, mesmo sob o manto da União Soviética, manteve-se sempre como importante país, indo além ao ter como secretário geral da União Soviética, o ucraniano Nikita Kruchev. Assim, não é um país sem história ou tradição: sempre foi o celeiro da antiga URSS. Pagou seu preço com a tragédia de Chernobyl, e agora paga mais uma conta por ser o virtual centro geográfico e político do novo império russo. Dizer que a destruição de cidades e mortes civis foram consequências da expansão da OTAN negociada na ocasião da queda do muro de Berlim, e do derretimento da URSS, descrito no livro A Transformed World, é fugir da realidade. A real política por trás destes movimentos é a de simples realocação territorial e política de uma nação em busca da influência perdida.


Faz bem o Brasil em alinhar-se na ONU com os países que rejeitam os ganhos territoriais pela força e sem respeito às fronteiras demarcadas e às nacionalidades arraigadas. Como também faz bem em se abster em votações que decidem o afastamento russo de mais entidades como o G-20. Esta guerra não é nossa, mas os princípios morais nos obrigam a defender populações indefesas, mortes desnecessárias e êxodo de povos.


Termino remetendo de novo aos dois fatos do início de abril. A visita de Johnson, e consequente a mensagem à OTAN: chega de morticínio, não haverá outra Síria com Kiev desarmada. E a nomeação do general Dvornikov, com a missão de vencer a guerra a qualquer custo até 9 de maio. Quem de nós apostaria que, ao invés de estarmos nos

afastando de uma guerra nuclear, estamos, sim, a um mero fio de barba dela.


Mario Garnero é fundador e presidente honorário do Fórum das Américas, fundador e presidente da Associação das Nações Unidas-Brasil e fundador do Grupo Brasilinvest. Anteriormente, foi presidente do CNI (Confederação Nacional da Indústria) e da ANFAVEA (Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores) e diretor da VW do Brasil e da Monteiro Aranha.


Os artigos assinados são de responsabilidade exclusiva dos autores e não refletem, necessariamente, a opinião de Forbes Brasil e de seus editores.


Artigo publicado na edição 96 da revista Forbes, em abril de 2022.


Oferecimento:



Comments


O Jornal Carangola não se responsabiliza por qualquer comentário expresso no site ou através de qualquer outro meio, produzido através de redes sociais ou mensagens.
O Jornal Carangola se reserva o direito de eliminar os comentários que considere inadequados ou ofensivos, provenientes de fontes distintas.
As opiniões são de responsabilidade exclusivamente de seus autores.

49.png

Parceiros

exame.png
sicredi 2.gif
2.png
mauricio padilha.png
FOTO PERFIL.png
projetilar.png
LOGOS AYA 2.png
437755017_956548816474171_2121639489067002229_n.jpg
PURO SABOR FOTO PERFIL.png
438198013_958102139652172_1147900987193066066_n (1).jpg
sinergiasolar1_1699029985861.jpeg
WhatsApp Image 2024-04-19 at 16.04.49 (1).jpeg
sicredibotucarai_1705112184178.jpeg
FOTO-PERFIL.png
jornalcarangola_1705119737294.jpeg
PERFIL.png
bottom of page