Buscar
  • Jornal Carangola

Brasil chega a 350 mil mortes por covid, 17 dias depois da marca de 300 mil

Devido ao alto número de vítimas de covid-19, cemitério de Vila Formosa, em São Paulo, ampliou a quantidade de enterros noturnos

Imagem: Vincent Bosson / Estadão Conteúdo

O Brasil superou hoje mais de 350 mil mortes por covid-19. A marca foi alcançada apenas 17 dias depois de o país contar 300 mil vítimas da pandemia. De ontem para hoje, morreram mais 2.616 pessoas, segundo o Ministério da Saúde.


Esse ritmo de novas mortes —50 mil em cerca de uma quinzena— só ocorreu no auge da pandemia nos Estados Unidos, entre dezembro e janeiro. Os EUA têm uma população 55% maior que a brasileira. Em nenhum outro lugar do mundo morreram tantas pessoas por covid-19 em tão pouco tempo, segundo os dados da plataforma Our World In Data.


O Brasil apresenta hoje o pior quadro da pandemia no mundo. Há mais de um mês, desde 9 de março, somos o país onde mais morrem pessoas por covid-19. A liderança brasileira é avassaladora: o segundo lugar não chega a mil mortes por dia, menos da metade do Brasil. Aqui, já são 80 dias seguidos com mais de mil vítimas por dia, na média semanal.


O total de vítimas é de 351.334, segundo boletim do Ministério da Saúde divulgado hoje. Com esse número, o Brasil é o segundo país com mais mortos pela pandemia em todo mundo. Só está atrás dos Estados Unidos, onde 561 mil pessoas perderam a vida.


Mas há uma diferença fundamental entre a situação da covid-19 no Brasil e nos EUA: aqui, o número de mortes continua no maior patamar da pandemia, enquanto nos Estados Unidos, está caindo rapidamente. Uma das causas do sucesso americano é o avanço da vacinação. Em terceiro lugar em número de vítimas está o México, com cerca de 210 mil mortes por covid-19.


Neste dia em que o Brasil passa de 350 mil mortes por covid-19, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) passeou de moto e visitou uma comunidade perto de Brasília. "Continua em casa e daí morre de fome", disse Bolsonaro, em tom de deboche.


O presidente não usou máscara em grande parte do passeio. Chegou a tirar foto com outras pessoas, uns próximos dos outros, todos sem o item de proteção contra a covid-19.


- Ouvindo o povo: pic.twitter.com/pjGQnSDNcJ

-- Jair M. Bolsonaro (@jairbolsonaro) April 10, 2021

Intervalo recorde


A primeira morte por covid-19 no Brasil foi registrada em 17 de março do ano passado. Passaram-se 95 dias até chegarmos a 50 mil mortes.


A marca de 100 mil foi batida 49 dias depois, em 08 de agosto de 2020. Depois de mais 63 dias, chegamos a 150 mil vítimas.


Os 200 mil mortos foram contados 89 dias depois, em 07 de janeiro deste ano. Passados mais 48 dias, o país atingiu 250 mil vítimas.


O número de 300 mil vítimas veio após 28 dias, no último 24 de março. Agora, somente 17 dias depois, o Brasil passa de 350 mil mortos por covid-19.


Evolução da pandemia


17/03/2020 - primeira morte por covid-19 registrada no Brasil

20/06/2020 - 50.058 mortes

08/08/2020 - 100.543 mortes

10/10/2020 - 150.236 mortes

07/01/2021 - 200.163 mortes

24/03/2021 - 301.087 mortes

10/04/2021 - 351.334 mortes


O Brasil em números


Na primeira onda:


Maior número de mortes em 24h: 1.554 (19/7)

Maior média móvel de óbitos: 1.097 (25/7)

Maior período com média acima de mil: 31 dias

Maior número de óbitos em uma semana: 7.679 (de 19/7 a 25/7)


Na segunda onda (dados até 09/04):


Maior número de mortes em 24h: 4.211 (6/4)

Maior média móvel de óbitos: 3.119 (1/4)

Maior período com média acima de mil: 79 dias

Maior número de óbitos em uma semana: 19.603 (de 28/3 a 3/4)

Por Amanda Rossi

O Jornal Carangola não se responsabiliza por qualquer comentário expresso no site ou através de qualquer outro meio, produzido através de redes sociais ou mensagens.
O Jornal Carangola se reserva o direito de eliminar os comentários que considere inadequados ou ofensivos, provenientes de fontes distintas.
As opiniões são de responsabilidade exclusivamente de seus autores.

FOTO-PERFIL.png
ORÇAMENTO.png

Parceiros

exame.png
mobile-1.png
açougue-fava.png
campestre-branco.png
mauricio padilha.png
FORNO-&CIA.png
projetilar.png
michelle.png
jornal-carangola.png