top of page
  • Foto do escritorJornal Carangola

Justiça recupera mais de 300 processos atingidos pelas chuvas em Carangola

Após o Fórum ser inundado, processos e documentos foram derrubados pela força das águas e ficaram cheios de lama. O conjunto passou por três etapas: diagnóstico, lavagem e secagem. Em fevereiro, município foi atingido por uma enxurrada que deixou mais de três mil pessoas desabrigadas.



O Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) recuperou mais de 300 processos judiciais e administrativos atingidos pelas fortes chuvas que atingiram Carangola em fevereiro deste ano. O acervo recuperado recebido pela Comarca de Carangola nesta quinta-feira (22).


No início do mês de março o G1 mostrou o início do trabalho de recuperação que a ação consistiria na retirada da lama deixada e na restauração individual de cada página. Ao todo foram resgatados 170 processos judiciais e 160 dossiês de documentos administrativos.


O trabalho teve duração de 41 dias e, ao todo, 37 pessoas se desdobraram nas atividades, sendo duas arquivistas, três supervisores administrativos, sete estagiários e 25 auxiliares de arquivo.


O material foi recuperado por equipes da Escola Judicial Desembargador Edésio Fernandes (Ejef). A ações foram desenvolvidas pela equipe da Coordenação de Arquivo Permanente, vinculado à Diretoria Executiva de Gestão da Informação Documental (Dirged).


O TJMG é o único no Brasil a manter pessoal das áreas de museologia, arquivologia, conservação e restauração nos quadros.


O 2º vice-presidente do TJMG e superintendente da Ejef, desembargador Tiago Pinto, destacou que a virtualização é um fato, mas ainda existe grande quantidade de autos físicos que demandam cuidados. Para ele, é fundamental adotar medidas preventivas e contar com um setor especializado na recuperação em caso de prejuízo a esses processos.


Processo de recuperação


Após o Fórum de Carangola ser inundado, processos e documentos foram derrubados pela força das águas e ficaram cheios de lama. O conjunto foi encaminhado para um galpão no Bairro Cincão, em Contagem onde passou por três etapas: diagnóstico, lavagem e secagem.


Ao chegarem, em março de 2020, processos estavam enlameados — Foto: Cecília Pederzoli-TJMG/Divulgação

A arquivista Barbara Maria Wacha, da gerência de Arquivo e Gestão documental da 2ª Instância, de Documentos Eletrônicos e Permanentes (Gedoc), explicou que o material passa por uma triagem, para identificar os mais encharcados e mofados, que são considerados prioritários.


O próximo procedimento foi a desmontagem dos autos e os documentos são secados com ventiladores industriais, etapa que pode ter dias de duração. Em seguida, os processos são conferidos e remontados.


Esta é a fase em que a equipe também analisa o que fazer quanto à destinação dos itens: muitos são devolvidos, mas alguns foram separados para eliminação por edital, outros para descarte e ainda para arquivamento (intermediário e permanente).


Atividade exigiu precisão, paciência e competência — Foto: Mirna de Moura-TJMG/Divulgação

Chuvas em Carangola e região


Centro de Carangola após enchente — Foto: Prefeitura de Carangola/Reprodução

Por causa da enxurrada, registrada durante o mês de fevereiro, o município teve cerca de 3 mil desabrigados e mais de 50 desalojados. O abastecimento de água também foi comprometido e a Prefeitura ainda realiza obras para normalizar a situação.


Na época, o G1 também mostrou que o governador Romeu Zema (Novo) esteve em Carangola e informou que o "Estado vai dar todo apoio".


Além do município de Carangola, Divino, Espera Feliz, Além Paraíba, Tombos e Orizânia também foram atingidas pelas chuvas.


Móveis foram perdidos com o temporal em Carangola — Foto: Pedro Gontijo/Imprensa MG

Os alagamentos ocorreram após um acúmulo de chuva de mais de 100 milímetros atingir duas áreas no dia 19 de fevereiro - a cabeceira do Rio Carangola, que corta as cidades de Orizânia, Carangola, Divino, Tombos e os municípios fluminenses de Porciúncula e Natividade; e a região do Alto Caparaó, que abrange Espera Feliz e Manhuaçu. Por Fellype Alberto, G1 Zona da Mata

O Jornal Carangola não se responsabiliza por qualquer comentário expresso no site ou através de qualquer outro meio, produzido através de redes sociais ou mensagens.
O Jornal Carangola se reserva o direito de eliminar os comentários que considere inadequados ou ofensivos, provenientes de fontes distintas.
As opiniões são de responsabilidade exclusivamente de seus autores.

49.png

Parceiros

exame.png
sicredi 2.gif
2.png
mauricio padilha.png
FOTO PERFIL.png
projetilar.png
LOGOS AYA 2.png
sicredibotucarai_1705112161896.jpeg
PURO SABOR FOTO PERFIL.png
sicredibotucarai_1699012659833.jpeg
sinergiasolar1_1699029985861.jpeg
sicredi_1705671512067.jpeg
sicredibotucarai_1705112184178.jpeg
FOTO-PERFIL.png
jornalcarangola_1705119737294.jpeg
PERFIL.png
bottom of page